José Mário Branco est un chantauteur portugais qui a débuté sa carrière pendant la période de l’Estado Novo, et qui a connu l’exil en France entre 1963 et 1974. Il a travaillé avec les plus grands, comme José Afonso, Sérgio Godinho, Luís Represas, Fausto et Camané, entre autres, avec lesquels il a participé à des concerts ou des albums dont il a écrit les textes ou composé les arrangements.
De la musique d’intervention au fado, il est l’auteur de nombreux disques comme Ser Solidário, Margem de Certa Maneira, A noite et surtout l’emblématique FMI, une oeuvre de synthèse du mouvement révolutionnaire portugais, avec ses rêves, ses désenchantements et ses inquiétudes.


Inquietação

A contas com o bem que tu me fazes
A contas com o mal por que passei
Com tantas guerras que travei
Já não sei fazer as pazes

São flores aos milhões entre ruínas
Meu peito feito campo de batalha
Cada alvorada que me ensinas
Oiro em pó que o vento espalha

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Ensinas-me fazer tantas perguntas
Na volta das respostas que eu trazia
Quantas promessas eu faria
Se as cumprisse todas juntas

Não largues esta mão no torvelinho
Pois falta sempre pouco para chegar
Eu não meti o barco ao mar
Pra ficar pelo caminho

Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer
Qualquer coisa que eu devia perceber
Porquê, não sei
Porquê, não sei
Porquê, não sei ainda

Cá dentro inqueitação, inquietação
É só inquietação, inquietação
Porquê, não sei
Mas sei
É que não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que eu tenho que fazer
Qualquer coisa que eu devia resolver
Porquê, não sei
Mas sei
Que essa coisa é que é linda