Catégories
Musique

ANTÓNIO GEDEÃO – Pedra Filosofal – La pierre philosophale ou le pouvoir des rêves

Il existe des chansons qui font partie intégrante de notre patrimoine culturel. “Pedra Filosofal”, publiée en 1956 par António Gedeão, dans “Movimento Perpétuo”, est l’une d’entre elles. Ce texte lumineux, qui a été chanté par de nombreux artistes, notamment pendant la période du 25 avril, exprime avec force comment les rêves, à l’instar de la pierre philosophale des alchimistes, peuvent transformer notre vie en or et faire avancer le monde, et ce malgré toutes les entraves.

Pedra Filosofal

Eles não sabem que o sonho
É uma constante da vida
Tão concreta e definida
Como outra coisa qualquer
Como esta pedra cinzenta
Em que me sento e descanso
Como este ribeiro manso
Em serenos sobressaltos
Como estes pinheiros altos
Que em verde e oiro se agitam
Como estas aves que gritam
Em bebedeiras de azul
Eles não sabem que sonho
É vinho, é espuma, é fermento
Bichinho alacre e sedento
De focinho pontiagudo
Em perpétuo movimento
Eles não sabem que o sonho
É tela, é cor, é pincel
Base, fuste ou capitel
Arco em ogiva, vitral,
Pináculo de catedral,
Contraponto, sinfonia,
Máscara grega, magia,
Que é retorta de alquimista
Mapa do mundo distante
Rosa dos ventos, infante
Caravela quinhentista
Que é cabo da boa-esperança
Ouro, canela, marfim
Florete de espadachim
Bastidor, passo de dança
Columbina e arlequim
Passarola voadora
Pára-raios, locomotiva
Barco de proa festiva
Alto-forno, geradora
Cisão do átomo, radar
Ultra-som, televisão
Desembarque em foguetão
Na superfície lunar
Eles não sabem nem sonham
Que o sonho comanda a vida
E que sempre que o homem sonha
O mundo pula e avança
Como bola colorida
Entre as mãos duma criança

Laisser un commentaire